domingo, 31 de agosto de 2008

REINICIANDO AS ATIVIDADES!


Nesta semana estaremos trabalhando com o livro "FLOR DE MAIO" da autora Maria Cristina Furtado e também com o livro "NINGUÉM É IGUAL A NINGUÉM: O LÚDICO NO CONHECIMENTO DO SER" das autoras Regina Otero e regina Rennó.


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

O DESAFIO DAS DIFERENÇAS

O DESAFIO DAS DIFERENÇAS

Daiane Mocellin
Cleide Sandini

O que é ser diferente
É um pergunta interessante
Tem que ser inteligente
Para não ser decepcionante.

A Pessoa Portadora de Deficiência
Apresenta diferenças
Pode ser física, sensorial e intelectual,
Mas não impedem sua interação com o meio físico e social.

Entre as várias diferenças
Conheceremos com cuidado
Cada ser é especial
E deve ser respeitado.

O deficiente físico
Tem alterações em seu corpo,
O que faz com que o mesmo
Realize tudo com muito esforço.

O deficiente auditivo
Também não pode falar
Aprende outras maneiras
De poder se comunicar.

O deficiente visual
Pode nada ou pouco enxergar
Enfrenta vários obstáculos
Mas tem vários outros meios de podê-los realizar.

O deficiente mental
Tem na mente o seu problema
Tem várias dificuldades
Inclusive esse sistema.

O deficiente múltiplo
Tem mais de uma deficiência
Devemos ajudá-lo
A enfrentar com persistência.

A pessoa com autismo
Tem desvios significantes
Em sua fala e nas inter-ralações
Mas pode desenvolver atividades interessantes.

A pessoa deficiente
Não deve ser isolado
O mesmo tem vários direitos
E um deles é ser integrado.

Essa integração ocorrerá
Quando todos tiverem acesso
Quando as diferenças forem respeitadas
O mundo terá progresso.

A inclusão social
É um direto do cidadão
É um dever da sociedade
E vontade da nação.

Igualdade de direitos
É só isso que eles querem
Facilidade em seu acesso
E muito mais eles merecem.

PENSE NISSO!!!

INCLUSÃO OU EXCLUSÃO!!!


Não importa do que me chamam
Retardado, aleijado, excepcional, ceguinho
Palavras inadequadas para um ser humano
Que pensa e possui sentimentos,
Seja normal ou não

Ser diferente não é dizer ser incapaz,
Seja auditivo, físico, visual
E outros tantos mais

Preconceito é palavra usada no passado
Os anos passam, passam e!!!!!
Com o passar, passa-se o preconceito para trás
Chega a tal da inclusão,
Que muitos acham-na uma ilusão

Deficiência não é doença
Recursos extras são necessários
É só procurar aqui, ali,
Que a informação correta
Eu posso ouvir

Deficiente mental não é louco
Louco é quem diz
Que não é feliz,
Na gíria popular
Cada um de nós de louco todos temos um pouco

O preconceito está presente
Na direção da gente
Ainda bem que a rosa-dos-ventos
Não tem preconceito
Ensina a escolher o caminho perfeito

A rotina das relações recai
Sobre a incapacidade, deficiência,
E não sobre a eficiência, capacidade e possibilidade

Nossa essência é a mesma
Somos seres humanos
Riqueza de situações
Possibilidades de vivências e de aprendizagem
Num horizonte repleto de opções

Fase dos direitos fundamentais,
Fase da igualdade de oportunidades,
Fase do direito à integração,
Isso é educação que
Depois do pensar chega a evolução

Falamos de integração
Palavra que deriva do latim
Com significado de original, natural
Mas que em ocasiões não tão distantes
Permeia o artificial

Quando o professor é calmo, tranqüilo.
É menos fácil que consiga inimigos
Alias já sabia que a profissão
Não iria ter nada acomodatício
Já previa que a rotina diária seria cansativo

Porém, numa sala grande e espaçosa
Cabe a Maria, o João e até o tal do Simão
Que em muitas vezes não tem amor no coração

Professor educado e atencioso
Tem sempre um tempinho
Mesmo que ele pequenino
Para um aluno cego ou de baixa visão
Ou qualquer outro que necessite da sua atenção

Para um educador que almeja
A sua profissão exercer
As mudanças do mundo vê acontecer
Mesmo não sendo deficiente
Pode a sua exclusão acontecer


Autor: Osmar Locatelli e Marildes Malagutti Simionatto

REVENDO CONCEITOS

SUPERAÇÃO



Ao tratar pessoa portadora de deficiência

seja respeitoso e natural

cada um com suas carências

em busca da inclusão social


Pode ser deficiência física

auditiva ou mental

as vezes ela é múltlipla

ou só no campo visual


conviver com a diversidade

incentivando a cooperação

oferecer e buscar oportunidades:

é a tarefa da educação.


construir um mundo de igualdade,

lutando contra a segregação;

quebrar os rótulos da incapacidade:

não existe mais padrão.''


Na sala de aula a heterogeneidade

pode ser imprescindível,

Aprender e ensinar na multliplicidade

as diferenças são bem visíveis”.


Rever conceitos através da História

aceitar e encorajar a mudança,

preconceitos deletados da memória:

é como voltar a seR criança.


aluno com necessidades especiais

recomenda o “warnock report”

enfatiza os aspectos fundamentais e funcionais

e consegue nos dar um norte.


este é o rumo a ser seguido

a caminho da integração

é ver barreiras caindo

construindo a inclusão.



AUTOR: MAURA FUMAGALLI

INCLUSÃO: UMA NOVA EXPERIÊNCIA


Deficiência tratada com Amor



Há muitas maneiras de se chamar um deficiente,

muitas são preconceituosas.

Nem por isso eles deixam de serem gente.

Pessoas felizes, amadas e virtuosas.



Eles tem muitos direitos

no que se trata de inclusão,

o mais importante é o respeito

e o acesso igualitário à educação.



As pessoas com deficiências físicas

encontram muitos obstáculos no caminho,

sem contar a rejeição estética,

que lhe privam de carinho.



Mesmo sem ouvir ou ver

eles vivem como iguais,

tem muita coisa a dizer

e respeitam os demais.



Seja para menos ou pra mais,

em se tratando de intelectualidade,

são diferentes os que não são iguais.

Cada qual com sua capacidade.



Deficiência não é doença,

muito menos incapacidade,

é apenas uma diferença

que identifica sua personalidade.



E, depois de tanto tempo de segregação

surgem os benefícios da inclusão,

permitindo uma completa integração

e uma verdadeira valorização.



Pois, cada qual com sua deficiência

mostra seu valor.

Crescendo em inteligência

se tratado com amor.




Jacira de Ávila e Rejane Cenci Lu



segunda-feira, 18 de agosto de 2008

CURSO SALTO PARA O FUTURO: "O DESAFIO DAS DIFERENÇAS NA ESCOLA"

IDENTIDADE E DIFERENÇA

Identidade e diferenças

A sociedade atual esta caminhando na direção certa para acabar com os rótulos predeterminados com relação as deficiências. Mas esse caminho em primeiro lugar deve ser traçado pela família e principalmente pelo próprio deficiente que deve buscar a sua aceitação e identidade.
A criação dessa identidade só se dará de uma forma concreta se aos deficientes forem dadas todas as possibilidades que lhe permitam ter uma vida saudável e feliz seja na vida social, profissional ou afetiva.
A cada um de nós cabe o papel de propiciar a eles as condições para que se desenvolvam como seres humanos que são, com suas particularidades e necessidades, ou apenas vencendo o (nosso) preconceito o que já pode ser considerado um grande avanço no processo de inclusão.

identidade e diferença


De acordo com a autora Margarida Seabra de moura, o maior obstáculo do portador de necessidades especiais, não é a deficiência em si, mas sim o preconceito que permeia a sociedade e muitas vezes a própria família.
Quebrar os rótulos criados ao longo do tempo, e revisar nossos conceitos, reavaliando o que deve ser mudado e o que deve ser preservado é tarefa para todos, mas fudamentalmente para nós educadores do śeculo XXI.
A inclusão do diferente, portanto, se inicia pela real inclusão na família, desenvolve-se no ambiente saudável da escola regular, se reforça na vida social, se solidifica no exercício de uma atividade profissional, e atinge sua plenitude no encontro do amor, no desenvolvimento da sexualidade e na formaçao de um indivíduo.

identidades e diferenças




Nos dias de hoje nos deparamos com muitos preconceitos,a sociedade ainda não consegue aceitar certas diferenças. Talvez seja o instinto conservador que dificulta a pessoa a abrir a cabeça e aceitar uma identidade diferente dentro de uma sociedade.

Devemos promover igualmente o acesso aos estudantes com deficiências à formação técnica, superior e profissional.

Assegurar que as pessoas com deficiência tenham acesso à sociedade e sejam aceitas com igualdade e com carinho.

Identidades e diferença



Deficientes físicos e mentais são pessoas que conseguem chegar a onde elas querem com muito esforço elas chegam la através de sua força de vontade de viver no seu dia a dia elas estão buscando seu próprio trabalho e estão ganhando sua autonomia e buscando o que eles querem e desejam para si mesmo através da diferença das outras pessoas normais portanto elas estão buscando seus objetivos perante a sociedade.

Identidade e Diferenças

O aprisionamento das pessoas em rotulagens impostas pela sociedade, cuja estas, não são absorvidas pela pessoa, gera uma imensidão de conflitos onde que a pessoa sente-se desmotivada totalmente para enfrentar a superação dos obstáculos.
Isso vem à mudar quando a pessoa enfrenta essses obstáculos com determinação ocasionando num resultado que é aquilo almejado pelo ser humano que é a "superação da desigualdade", comprovando de que com esforço e determinação supera-se aquilo que se achava impossível de ser conseguido.
Não importa se pelo caminho existem obstáculos, não importa se a pessoa vem à errar por muitas vezes. Importa que é através dos erros que a própria pessoa irá providenciar a sua própria superação.
Não importa o que as pessoas, a sociedade, ou quem quer que seja pensa. Importa sim aquilo que a pessoa pensa e quer alcançar para si, dentro de uma conduta moral e idealizadora.
Osmar

Identidade e Diferenças



Como é difícil para todos nós a aceitação do diferente. Tentamos nos preparar e até mesmo falamos que aceitamos o diferente, mas quando ele realmente acontece na nossa família e que percebemos o quanto não estamos preparados e resistimos a aceitação. Aceitar o diferente não é uma atitude nobre e sim uma atitude normal de pessoas humanas, então freqüentemente precisamos revisar nossos conceitos e mudar nossa cultura de que o deficiente não tem capacidade.

Identidade e Diferenças


Estamos submetidos a viver num mundo que, ainda, conserva padrões estabelecidos de como a pessoa deve ser. Nesse mundo ser diferente é considerado um problema, algo que deve ser reparado. Esse cenário dá margem à criação de um estereótipo, um modelo pré definido de indivíduo perfeito, onde os diferentes ainda não tem chances de se incluir.

É correto afirmar que existem algumas tradições que devem ser respeitadas e conservadas. No entanto, deve ser deixado para trás certas concepções errôneas de modelo adequado de indivíduo para a sua aceitação. Ou seja, não só deve ser aceitável o que é igual. A diversidade nos dá a oportunidade de vivenciar novas experiências, criar conceitos próprios inovadores.

A esperança é que essa realidade mude com novas atitudes. É necessário mudarmos o conceito de ser humano perfeito, do ideal. A humanidade deve aceitar, respeitar e incluir as pessoas diferentes, seja qual for a diferença. Isso se chama progredir, desenvolver, crescer. Precisamos contribuir para que a inclusão aconteça.

identidades e diferenças

i

identidades e diferenças

i

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

HELOU

ESTOU COMEÇANDO A ME SENTIR INCLUÍDA NO MUNDO TECNOLÓGICO.
ASHASHASHAJLHSALHSDLJAKDSLKJA

BJS A TODOS.

O DIREITO Á DIFERENÇA NA IGUALDADE DE DIREITOS

O DIREITO A DIFERENÇA



O DIREIRO A DIFERENÇA


Não somos iguais em tudo, mas conquistamos o direito à igualdade e devemos reclamá-la, toda vez que as nossas diferenças forem motivo de exclusão, discriminação, limitação de possibilidades, na escola, na sociedade em geral.
Essa discussão da igualdade na escola está contida no direito de todos à educação, uma vez que é a mesma que norteia toda essa discussão.
Desde sempre ouviu-se falar sobre “o diferente”. Anteriormente tinha-se a questão do diferente envolto nas questões étnicas, onde ter a pele com cor diferente era diferente.
Com o passar dos tempos, vem sendo mostrada a sociedade novas formas de “ser diferente”. São elas as deficiências. Estas não escolhem etnia, função ou classe social. São pessoas com modos e formas diferentes de viverem a vida.
Não nos compete julgá-los, mas sim incluí-los. Esses Portadores de Necessidades Especiais não precisam de ninguém que os protejam, mas de pessoas que os orientem e, de forma legal, os faça conhecer o “diferente”, as pessoas que se julgam “normais”.

SER DIFEREMTE PODE SER APENAS UM ESTADO DE ESPÍRITO!

Daiane Mocellin

APRESENTAÇÃO

OI! EU SOU A SANDRA, TRABALHO AQUI NA SDR. ESTOU CURSANDO PEDAGOGIA ESTOU FELIZ DE ESTAR AQUI COM VOCÊS!

Apresentação

Oi,
Meu nome é Jacira, trabalho no Centro de Educação de Jovens e Adultos - CEJA de Xanxerê/SC, no cargo de Analista Técnico em Gestão Educacional. Estou me graduando em Pedagogia através da Uniasselvi.
Acredito que toda nova experiência é necessária para a construção da aprendizagem, este é o meu subsídio.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Apresentação

Olá!
Ahola!
Meu nome é Rejane Cenci, tenho 22 anos, trabalho no Centro de Educação de Jovens e Adultos-CEJA de Xanxerê como Analista Tecnica em Gestão Educacional, sou licenciada em Física pela Unics-Centro Universitário Católico do Sudoeste do Paraná desde julho de 2007, desde então tenho estado "um pouco distante" do estudo em si, este curso representa uma boa oportunidade de aprender coisas novas e estudar um pouco.... "a troca de idéias dá origem a idéias novas e atitudes melhores".
Vamos lá!

apresentaçao

Me chamo Maura, sou professora de História do CEJA de Xanxere, estou aqui, para aprender coisas novas com o grupo e interagir.

Apresentação

Sou Daiane Mocellin, sou Assistente de Educação do CEJA, sou graduada e pós graduada em Geografia, e estou cursando devido a necessidade de maior entendimento sobre a questão da Inclusão na Escola, uma vez que não houve nenhum tipo de preparo dos professores e funcionarios para receber adequadamente estes Portadores de Deficiências. Espero com o curso ter um maior conhecimento sobre este Desafio das Diferenças na Escola.

APRESENTAÇÂO

SOU A CLEIDE ESTOU CURSANDO PEDAGOGIA E PRETENDO ALCANÇAR MUITO COM ESTE CURSO E APROFUDAR MEUS CONHECIMENTOS.

Sejam todos bem vindos!!!!!!

Olá,

Meu nome é Osmar, atualmente trabalho no CEJA DE XANXERÊ - SC, como Analista Técnico em Gestão Educacional,estou cursando curso de graduação em Licenciatura-Matemática, gosto sempre de estar participando de desafios "saudáveis", fazendo com que nosso intelectual sempre esteja procurando uma posição melhor em termos de visualizar nossos caminhos.

Apresentação

Sou Marildes, estudante de Pedagogia, sou assistente de educação no CEJA desde 2006. Gosto muito do meu trabalho. Espero com este curso aprender muito sobre inclusão, pois no nosso trabalho atendemos muitas pessoas consideradas diferentes e que precisam ser atendidas e respeitadas pelas suas diferenças.

sábado, 9 de agosto de 2008

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

ENCERRAMENTO DO CURSO DEBATE: MIDIAS NA EDUCAÇÃO

Chegamos ao final deste um curso... Laços de amizade foram construídos, reforçados... Aprendi muito e espero que esse nosso tempinho juntos tenha sido proveitoso! Muito Carinho a vocês e até breve!


video